quarta-feira, 1 de junho de 2011

Prêmio Cidades Habitáveis - Plaza Movil







Fonte: Aqui!

terça-feira, 10 de maio de 2011

Seminário do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa BH

Ajudando a divulgar:


A realização da Copa 2014 é apresentada pelas entidades oficiais e pelo governo como uma grande celebração da estabilidade econômica que o país vem alcançando. Aproveitam-se da paixão do Brasileiro pelo futebol para criar um clima de oba oba, e tudo é festa.
No entanto, as exigências da FIFA para a realização dos jogos ultrapassam leis estaduais, municipais e até mesmo a Constituição Federal. Somados a isso, políticos e empresários mal intencionados aproveitam a oportunidade para privatizar prédios e terrenos públicos, e lesar os cofres públicos com obras superfaturadas. Não é esta a Copa que queremos para o Brasil e só com grande participação popular é possível interferir nestes eventos.
Buscando articular diferentes setores da sociedade e estreitar laços entre todos aqueles que, direta ou indiretamente serão atingidos por esse Megaevento, o Comitê Popular dos Atingidos pela Copa 2014 (COPAC) convida para o seu primeiro Seminário, oportunidade para discutir os impactos da Copa 2014 no Brasil e particularmente em Belo Horizonte. O evento será realizado no auditório da Faculdade de Direito da UFMG (Avenida João Pinheiro, 100 – Centro) nos dias 13 e 14 de Maio. No dia 15 de Maio, domingo, será realizado a Copelada, um campeonato de futebol com times amadores na Praça da Estação, a partir das 15h.
Confira a programação e venha participar você também!
PAINEL 1 | 13/05 (sexta-feira) | 18:00h
Os Megaeventos e as violações aos direitos humanos e sociais
PAINEL 2 | 14/05 (sábado) | 09:00h
A Cidade de Exceção e a Copa do Mundo
PAINEL 3 | 14/05 (sábado) | 11:00h
Mobilidade Urbana para quem?
PAINEL 4 | 14/05 (sábado) | 18:00h
Impactos de econômica e urbanística decorrentes da realização do Mundial da FIFA no Brasil
GRUPOS DE TRABALHO | 14/05 (sábado) | 14:00h
COPELADA | 15/05 (domingo) | Cadastramento dos times 15:00h | Início dos Jogos 16:00h | Praça da Estação
Forme um time de 5 jogadores e venha jogar uma pelada no espaço público!
* Entrada gratuita, por ordem de chegada. Para emissão de certificado será cobrada a taxa de R$ 5,00.

sábado, 30 de abril de 2011

IAPI

A prefeitura de Belo Horizonte lançou nas ultimas semanas um novo programa chamado "Adote um bem cultural'', no qual instituições privadas se juntam e financiam a revitalização de obras arquitetônicas ou espaços públicos de Belo Horizonte. O primeiro imóvel contemplado será o conjunto habitacional IAPI, que pode ser considerado um símbolo na história da arquitetura da capital.


O conjunto foi uma iniciativa conjunta da prefeitura Municipal da cidade, o Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Industriários (IAPI) e a Companhia Auxiliar de Serviços de Administração (CASA) sediada no Rio de Janeiro. O contrato, datado de 29 de novembro de 1940, determinava a responsabilidade de cada uma das partes para a realização do empreendimento. À prefeitura cabia a doação do terreno e a urbanização da área, dotando- a de rede de esgoto, de água, telefônica e elétrica, assim como possibilitar o transporte urbano, na época o bonde. Ao IAPI cabia o financiamento e fiscalização

da obra. E a CASA seria responsável pelo anteprojeto, o projeto executivo, assim como a execução e fiscalização da obra. As obras tiveram início em 1944 e o conjunto foi inaugurado oficialmente duas vezes, em 1o de maio (dia do trabalhador) nos anos de 1947 e 1948, no entanto os primeiros moradores só puderam se mudar em 1951, quando, enfim, a construção ainda incompleta, oferecia condições de habitabilidade. (Parágrafo retirado da tese "O IAPI de Belo Horizonte - entre proposta social e propaganda ideológica'' de Juliana Cardoso Nery).


Inaugurado por (adivinha????) Juscelino Kubitschek, o conjunto, que completa 70 anos no dia primeiro de maio, terá as fachadas dos 9 prédios pintadas em tons de azul depois de 30 anos sem receber uma mão de tinta. O conjunto conta com 924 apartamentos, onde vivem 5.400 moradores.


Pela foto ao lado dá pra perceber o quanto o conjunto está precisando ser revitalizado. Me lembro de ter sido citado nas aulas de arquitetura no semestre que tivemos que elaborar uma construção de interesse social na região de Confins e relatos de que o local já foi bastante valorizado. Que a pintura traga outras melhorias e que o programa se estenda a outros imóveis de BH que fazem parte de sua história, porém se encontram esquecidos, e acreditem, são muitos.

Ganhadores do Concurso de projeto SAVEST 201


Alunos:

Maycon Altera
Milena Lopes
Gabriela Loures

Orientador:

Marcos Nobre

Parabéns aos responsáveis pelo projeto. Ficou ótimo!

Att.

Equipe Expurgancia

Palestra arquiteto Sidnei Palatnik

Recebemos pelo siga o e-mail da Karine, coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo, convidando para a palestra do arquiteto Sidnei Palatnik a ser realizada na quinta-feira, 05 de maio, às 19hs, no Atelier 6.

Trecho do e-mail:

A palestra, além de abordar a questão da tecnologia do aço, por meio de diversos exemplos que permitem aos estudantes vislumbrar o potencial deste material, visa também divulgar o “Concurso CBCA para estudantes de Arquitetura 2011”, agora em sua 4ª edição e abrangência nacional. O IV Concurso CBCA de Projeto em Aço para Estudantes de Arquitetura 2011 tem como tema uma “ESTAÇÃO INTERMODAL DE TRANSPORTE TERRESTRE DE PASSAGEIROS”.

Lá estaremos.

Att.

Equipe do Expurgancia

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Para Refletir!






         Você sabe que imagem é essa?
         Uma foto tirada do Iate na orla da Lagoa da Pampulha!
         Tá! ok! E o que tem demais nisso?
         No fundo aquele belo  skyline (ironia) é o singelo Bairro do Belvedere com suas torres...
         O que se faz no Centro Sul se paga na Pampulha!

terça-feira, 19 de abril de 2011

Entrevista Richard Rogers - AeC Abril 2011


A entrevista abaixo foi publicada na edição de abril da revista Arquitetura e Construção. em passagem pelo Brasil o arquiteto Richard Rogers fala um pouco sobre seus principais projetos, sustentabilidade e sua vontade de projetar no país. No site da revista é possivel ver fotos dos projetos do arquiteto.


"O Rio de Janeiro tem chance de se reinventar, corrigir erros e beneficiar a população"

Titular de um dos maiores escritórios de arquitetura do mundo, sediado em Londres, Richard Rogers fala de urbanismo, das Olimpíadas na capital inglesa em 2012 e das Olimpíadas no Rio de Janeiro em 2016


Nem o calor carioca nem o cansaço da viagem abalaram o bom humor de sir Richard Rogers no dia de sua chegada ao Rio de Janeiro. Depois de realizar um passeio de helicóptero e uma palestra no Centro Cultural dos Correios, o arquiteto de 77 anos, nascido na Itália e criado na Inglaterra, teve fôlego para conversar com ARQUITETURA & CONSTRUÇÃO. Simpático, o vencedor do Prêmio Pritzker (uma espécie de Nobel da arquitetura) de 2007 defende um modelo de cidade compacta como condição de sustentabilidade e preservação do espaço urbano como local de interação. Em especial tratando das metrópoles, Rogers acredita na necessidade de redirecionar seu desenvolvimento, de modo a impedir os danos ambientais causados pela expansão desmedida e pelo uso abusivo do transporte individual.

Qual sua impressão do Rio de Janeiro?
Estive aqui há cerca de 20 anos e não posso dizer que tinha uma impressão formada. Desta vez, sobrevoei a cidade de helicóptero e fiquei muito impressionado. É um lugar lindo, talvez um dos mais bonitos no mundo. Sydney, na Austrália, é outra metrópole com uma geografia parecida, debruçada no mar, a paisagem definindo o contexto de ocupação urbana. Ambas encantadoras. Quanto à arquitetura, me pareceu que há, sim, exemplos de alta qualidade, dentro de um universo bem misturado, sem muitos critérios. Depois daqui, vou ainda a Curitiba, porque sou amigo do ex-prefeito Jaime Lerner. Por sinal, essa é uma cidade brasileira que admiro, pois tem dimensões moderadas, soube conter o crescimento desenfreado. Seu projeto urbanístico é notável, principalmente em função de um transporte público eficiente e farta oferta de áreas de lazer.

Sua visita tem a ver com algum projeto no Brasil?
Este país se tornou uma das grandes potências econômicas mundiais. Tudo está acontecendo ou está para acontecer aqui. Esse clima, essas possibilidades me interessam. Tenho sangue latino, família italiana, e acho que a minha cultura mediterrânea é bem próxima da brasileira. Enfim, me envolver em algum projeto aqui seria fantástico.

Você acha possível integrar elementos regionais no contexto da arquitetura global? Como um escritório baseado em Londres pode propor um projeto que vai ser parte da realidade brasileira - inclusive no que se refere ao conhecimento de matérias-primas locais?
Você tem que ter a sensibilidade para vivenciar a cultura local, pesquisar materiais e apostar numa flexibilidade estética. Aqui, há fartura de marcos geográficos naturais que podem e devem influenciar um projeto. Mas, em geral, digo que meu escritório, que reúne cerca de 150 pessoas, já é um enorme celeiro de diferentes nacionalidades e culturas. Os projetos refletem esse mix, se beneficiam disso. Gosto de viajar, de conhecer, de viver o lugar em que trabalho. Se possível, morar por um tempo. E com boas referências e muita pesquisa, fica mais fácil desenvolver projetos adaptados à realidade local.

Você trabalhou como conselheiro da prefeitura de Londres em assuntos relacionados à arquitetura e urbanismo por quase dez anos. Como você analisa o crescimento urbano da capital inglesa e como ela está se preparando para os Jogos Olímpicos, que ocorrerão em 2012?
Acho que, essencialmente, a cidade se beneficiou nos últimos anos de bons prefeitos, que pensam o planejamento urbano em detrimento da especulação. Além dos muitos preparativos para a Olimpíada, que incluem revitalizações de áreas públicas, zonas industriais ganharam grandes empreendimentos. Outro fator interessante é que a estrutura olímpica abrange também as partes mais pobres da cidade, não se restringindo a uma maquiagem que funcione apenas durante o evento. Os jogos estão funcionando como um catalisador, trazendo verbas e projetos, fazendo que a cidade seja repensada.

O que o Rio de Janeiro pode ganhar como legado da Olimpíada?
Os Jogos duram poucos dias. Mas é essencial que eles sejam uma justificativa para definir uma nova - e melhor - qualidade de vida nos locais onde ocorrem. Por conta deles, a cidade recebe investimentos maciços e tem chance de se reinventar, corrigir erros, beneficiar a população como um todo. Para mim, o melhor exemplo que soube aproveitar essa oportunidade foi Barcelona, que praticamente renasceu com e depois do evento, revitalizando áreas pobres e decadentes. Já Los Angeles errou, investindo essencialmente na construção de estradas: hoje é sede dos maiores engarrafamentos do mundo. Nada ali foi destinado às áreas mais carentes. É essencial que esse cuidado aconteça aqui. A Olimpíada deve ser também uma oportunidade para mudar a vida das pessoas nas favelas e construir uma sociedade mais justa.


O senhor comparou a situação geográfica do Rio com a de Sydney, na Austrália, onde seu escritório assumiu um grande projeto. Fale um pouco desse empreendimento, batizado The Barangaroo Masterplan.
Estou desenvolvendo um bairro com escritórios, casas e áreas de lazer, com cerca de 1 milhão de m² posicionados em frente ao mar. O interessante é que ali era uma área portuária, degradada, com idas e vindas de cargas. Movendo o porto, tornamos esse espaço mais integrado ao contexto urbano, trouxemos vida para o entorno. O mesmo aconteceu em Barcelona, que revitalizou a zona portuária transformando-a num pólo de lazer. E também em Londres, especialmente na parte próxima ao rio Tâmisa. São ótimos exemplos que devem ser seguidos.


O senhor é autor do projeto do prédio apontado como o empreendimento residencial mais caro do mundo: One Hyde Park, em Londres, onde os apartamentos podem custar R$ 374 milhões. O que justifica cifras tão astronômicas?
Acho importante destacar que meu escritório assina apenas a arquitetura do empreendimento, não o design do interior, que é onde os materiais são mais luxuosos. Em termos de arquitetura, acho um projeto interessante, com prédios inteligentes, farta iluminação natural, eficiente aproveitamento e uso de energia. São blocos simples e elegantes, só que localizados num dos endereços mais caros do planeta. Vale lembrar que, em Londres, para cada projeto de alto luxo, o empreendedor tem de dar uma contrapartida para a sociedade, exigida pelo governo: isso significa gastar 50% do valor do lançamento em moradias populares. Bastante justo, não? No caso do 1 Hyde Park, o empreendedor não me contratou para desenvolver o projeto mais popular, mas eu adoraria executá-lo.


O senhor desenhou o Centro Georges Pompidou (1971-1977) em parceria com o arquiteto Renzo Piano. Como foi propor, há cerca de 30 anos, uma estrutura tão revolucionária para uma cidade como Paris?
O Pompidou é uma estrutura transparente, que ocupou o espaço público propondo, além do prédio, uma grande piazza, feita sob medida para todos se encontrarem, confraternizarem. A impressão que me encanta, ali, é que esse ponto de encontro parece se alongar para o interior do edifício, que funciona como uma moldura que une interior e exterior. Uma característica do projeto que eu considero essencial é a flexibilidade. Para se pensar em um empreendimento que vai estar ali por muitos e muitos anos e pode mudar eventualmente de função, é necessário apostar na flexibilidade: a estrutura precisa ser facilmente moldada a novos usos.


Foi essa a sua preocupação também na sede do Lloyd's (1978-1986), outro de seus projetos na região central (City) de Londres?
Ali me pediram uma estrutura sem modismos, que resistisse através dos tempos. Usei então muito vidro, criando paredes vivas, que refletem e se "mexem" e deixam à mostra a paisagem ao redor, sem criar um conflito. Os vãos são altos, generosos, possibilitando flexibilidade para mudar de função e forma, se necessário. É interessante acrescentar que o prédio não tem estacionamento, porque se encontra em uma área densamente povoada, com tráfego pesado e que deve ser acessível preferencialmente através de transporte público: ônibus, metrô ou bicicleta.

Em mais de cinquenta anos de trajetória profissional, como resumiria seu estilo?
Sou um grande observador de cidades, gosto de viajar e pesquiso constantemente referências. Há um trabalho grande e contínuo, seja junto a governos planejando melhores soluções urbanísticas, ou no meu escritório, em empreendimentos privados espalhados pelo mundo. Com isso, fui criando dogmas que tento seguir na minha vida profissional e acho que cabem a qualquer arquiteto: todo cidadão deve poder enxergar uma árvore da janela de sua sala, sentar num banco na praça vizinha à sua casa e ir de bicicleta para o trabalho.

O senhor já declarou que as cidades "não acontecem, elas são feitas" e precisam ser planejadas com critério. Como implementar esse conceito na prática?
Em primeiro lugar, sou absolutamente contra a expansão predatória - critico infinitamente, em qualquer cidade. Planejamento é essencial e para isso o governo tem de intervir sempre, ditar regras, trabalhar ao lado dos arquitetos. O Rio de Janeiro deve ficar especialmente atento aos prejuízos de uma expansão imobiliária indefinida, excessiva. Aqui há fartura de ícones geográficos que ajudam a construir uma mescla equilibrada de arquitetura e geografia. É importante também atentar que, antes de expandir, o melhor é regenerar áreas decadentes, vazias ou pobres - criando praças, estações de ônibus, pontos de encontro. Em geral, dois princípios são básicos na minha cartilha: o espaço publico é um direito do cidadão. As ruas são pontos de encontro. Cabe aos governos tornar isso viável.

Fale um pouco sobre sua visão de sustentabilidade na arquitetura e no planejamento urbano.
O que torna uma cidade sustentável é, a meu ver, sua dimensão. Ela tem de ser um espaço que convide a deslocamentos a pé ou de bicicleta, ou por meio de transporte público. É importante que ao sair do trabalho a pessoa possa rapidamente chegar em casa ou numa área de lazer agradável, convidativa.

Como a sustentabilidade e tecnologia podem se aliar?
Antes, a estética era o item principal quando o profissional pensava um projeto. Agora, ele precisa aliar seu traço a preocupações relevantes, como insolação do terreno, formas de captação de energia, estudar o aproveitamento de águas pluviais, além de avaliar - e evitar - o uso de materiais capazes de agredir o meio ambiente. A pesquisa de matérias-primas se tornou essencial, um compromisso importante.

Defina o conceito de uma arquitetura que considera exemplar.
Tem de ser leve e transparente, respeitar um processo de construção viável e adaptado às condições locais, ter escala e ritmo, flexibilidade e adaptabilidade, buscar um senso de pertencer ao lugar, e ainda fazer a integração do publico e privado. Assinei o projeto da moradia dos meus pais em Wimblendon, nos anos 60, um dos meus primeiros trabalhos. É uma estrutura reta e integrada ao entorno, que até hoje permanece atual. Isso porque é uma casa que muda de acordo com quem vive ali, que mantém o frescor da juventude. Essa é a arquitetura na qual acredito.

E há algo que ainda sonha fazer? Um grande projeto em vista?
Quem sabe trabalhar aqui no Brasil? Eu realmente adoraria.

sábado, 16 de abril de 2011

Paz e Vida!


Para conhecimento:

Prezados(as) alunos (as),
na próxima segunda-feira, dia 18 de abril, âs 18:30 h, a Instituição fará um momento especial de homenagem à vida de nosso querido colega Prof Kássio Vinícius com o plantio de uma árvore, símbolo de vida e frutos entre nós.
No momento faremos também o lançamento de um manifesto pela Paz e a divulgação de nossos novos serviços de APOIO PSICO SOCIAL e acolhimento de professores, alunos e funcionários por equipe especializada na Agência de Cuidados da Instituição.
Contamos com a particpação de todos,
Carinhosamente,
--
Márcia Nogueira Amorim
Pro Reitora Acadêmica
Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix
Fones: (31) 3244-7250; 3244 7240
www.metodistademinas.edu.br

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Pedala BH!

 (  A imagem mostra como deve ficar a Av. Risoleta Neves)
    Sim povo do meu Brasil! é possível andar de bicicleta em bh! não acredita? ( bom na verdade nem eu acredito) começou hoje as obras de implantação da ciclovia na cidade! Tudo isso faz parte do projeto Pedala BH da BHtrans, para incentivar o uso da bicicleta! 


  
 Se você, assim como eu, pretende comprar aquela bike bacana ( rosa choque e com cestinha) confere a reportagem completa do estado de minas nesse link aqui!


Estado de Minas, publicado em 13/04/2011

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Gustavo Penna: para entender.

Jornal Hoje Em Dia, 01/02/2008

  Belo Horizonte, terá mais um espaço de convivência, desta vez, dentro de um dos lugares mais freqüentados na área central, o Parque Municipal. O prédio do Colégio Imaco vai dar lugar a uma construção moderna, que vai abrigar todos os eventos de educação ambiental, lazer e cultura que já acontecem no parque. Orçada em R$ 8 milhões (investimento do Governo municipal), a obra, cuja licitação sai hoje, está prevista para começar em abril e a previsão é a de que seja concluída em aproximadamente 18 meses. 
O novo prédio será erguido onde funcionava o Imaco, que foi transferido para o antigo Promove, na Rua Gonçalves Dias, na Praça da Liberdade. O antigo colégio tem 4.425 metros quadrados de área construída e será demolido para que seja levantado o Espaço Multiuso do Parque Américo Reneé Gianetti com 3.200 metros quadrados. «Nenhuma árvore será derrubada. A proposta é valorizar a área verde. A nova edificação é leve e vazada em harmonia com o próprio parque. O prédio do Imaco era uma anomalia, não tinha nada a ver com o ambiente», critica o responsável pelo projeto arquitetônico, o arquiteto Gustavo Pena.
O acesso principal ao edifício será pelo Largo do Sol. Um amplo espaço coberto, de formato circular (o que facilita a acústica), será construído para abrigar 3 mil pessoas. Haverá um palco amplo, um auditório para 250 pessoas e biblioteca com o acervo do Parque Municipal, além de lanchonete, banheiros e um terraço descoberto para que o freqüentador usufrua da vista do parque. 
Os pisos externos serão em argamassa de alta resistência e granitina áspera, que permite o alto tráfego de pessoas no local, aproximadamente 600 mil por mês. Serão utilizadas divisórias móveis entre as salas de apoio e no auditório para permitir a integração dos ambientes quando necessário. Pena conta que buscou inspiração nas crianças e procurou idealizar um projeto lúdico e ao mesmo tempo instigante. «Por trás dessa obra está uma preocupação maior em transformar as cidade em locais de convívio agradável. O espaço multiuso estará totalmente interligado ao patrimônio ambiental do Parque», disse o prefeito Fernando Pimentel.

 Gustavo Pena falar que que o prédio antigo era tosco: ok!,agora gustavo p.: falar que seu projeto tem harmonia com o parque: plis não exagera né benhê!!! então tudo que é branco e curvo tem harmonia com o mundo? Já ouvi esse discurso antes com um velho e centenário arquiteto!

Gustavo Penna

Espaço Multiuso Américo Renné Giannetti - Parque Municipal





domingo, 10 de abril de 2011

Fica a Dica!


Para amantes de exposição e arquitetura.
Esse mês no Palácio das Artes esta com duas exposições de arquitetura.
São elas:

80 anos Escola de Arquitetura da UFMG |
Serviço Evento: Exposição 80 Anos da Escola de Arquitetura da UFMG
Data: 08 de abril a 08 de maio
Horário: terça-feira a sábado de 9h às 21h; domingo de 16h às 21h
Local: Espaço Mari'Stella Tristão e Galeria Anexa (ao lado da Galeria Alberto da Veiga Guignard)
Entrada franca
Informações: (31) 3236-7400



Arquitetura Brasileira - Viver na Floresta |
Serviço Evento: Arquitetura Brasileira - Viver na Floresta
Data: 08 de abril a 08 de maio
Horário: terça-feira a sábado de 9h às 21h; domingo de 16h às 21h
Local: Galeria Genesco Murta e Galeria Arlinda Corrêa Lima
Entrada franca
Informações: (31) 3236-7400


Vale a pena da uma passada por lá!
Maiores informações
: http://www.fcs.mg.gov.br/home/default.aspx

terça-feira, 5 de abril de 2011

Informação!!! Parte 2


Izabela Hendrix realizará concurso para estudantes dos cursos de Design de Interiores e Arquitetura e Urbanismo

Entre os dias 19 e 21 de maio, em Belo Horizonte, acontecerá a 1ª edição do Salão do Vestibular (Savest) 2011. Trata-se de um evento que objetiva facilitar a relação entre instituições de ensino superior e estudantes em geral. O Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix participará da programação, e por isso lançou o concurso "Espaço Izabela", destinado aos alunos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, e Design de Interiores da Instituição.

Os estudantes interessados deverão desenvolver trabalhos em equipe – de no mínimo 3 e no máximo 5 participantes – objetivando a execução de um projeto detalhado e devidamente orçado para o espaço que será utilizado pelo Izabela Hendrix no Savest 2011. A inscrição prévia dos trabalhos deverá ser realizada até o dia 7 de abril, pelo e-mail: manoel.assad@metodistademinas.edu.br . Já a data limite para o envio dos trabalhos é o dia 25 de abril.

Para conferir o regulamento completo do concurso, clique AQUI.

04/04/2011


Fonte: http://www.metodistademinas.edu.br

Informação!!!

Ao acessar o site para mais uma longa jornada de ead vi uma novidade! tcharan!
O izabela hendriz junto com a IBM vai oferecer curso gratuito para os leigos aprenderem informática. Bom aí eu pensei: Qual a necessidade de fazer propaganda disso no expurgancia? ( uma vez que todos que frequentam o expurgancia devem já saber o nível de informática que vai ser oferecido no curso....)

Bom como um bom blog informativo e como forma de apreciar e bater palmas ( clap clap clap) para o Izabela a noticia está sendo divulgada! :) então se vc conhece alguém do nosso centro universitário indica esse curso para o "culega" se atualizar....

informações: www.metodistademinas.edu.br

Abraços
Equipe Expurgancia

Entrevista com Bjarke Ingels

domingo, 3 de abril de 2011

Coisas de arquiteto


"Uma casa é uma máquina de morar." Já dizia LE CORBUSIER





Um arquiteto na china, sem poder pagar por altos alugueis no centro de Pequim, construiu uma "CASA" que pode ser instalada em qualquer lugar, Adivinha o lugar que Dai Haifei de 24 anos escolheu: Em frente ao seu escritório...Deixando a fofoca de lado voltando para Arquitetura...A "casa" projetada por Haifei foi confeccionada em bambu e madeira, tem 1,8m de altura e sua energia elétrica é gerada por painéis solares instaladas no topo.Ele colocou sementes de grama em toda a superfície para equilibrar a temperatura interna da sua morada.A casa conta com apenas uma cama, uma pia é uma lâmpada.
Fonte: Revista Galileu




sexta-feira, 1 de abril de 2011

Blog Projetar e Aprovar

Novidade boa pra quem passa apertado pra aprovar projetos na prefeitura ou que são novos no ramo. A Ciça, ex-aluna do Izabela, criou o blog Projetar e Aprovar no qual vai postar informações sobre o processo de aprovação de projeto na prefeitura de Belo Horizonte além de dicas, indicação de profissionais e detalhes que todos devem estar atentos na hora de usar a prancheta (ou CAD). Eu achei ótima a idéia e já até tirei dúvida com ela hoje hehehehe... quem já tentou aprovar na prefeitura sabe que mesmo o mais simples pode ser complicado. Abaixo a descrição e perfil colocados no blog. Para visitar clique AQUI.

Projetar e Aprovar

Em meio a conversas com arquitetos, alunos de arquitetura e clientes, pude perceber o quanto o processo de aprovação de projetos é penoso. Muitas dúvidas, reclamações, novas leis e um bando de coisas novas. E ai surgem as perguntas: Estava na lei? Mudou o que com a nova Lei de Uso e Ocupação do Solo? Contagem é diferente de Belo Horizonte? Pensando nisso, criei este blog para tentar transformar esse mundo de aprovação um pouco mais prazeroso. Porque afinal, eu amo trabalhar com prefeitura!


Ciça Barros

Arquiteta e Urbanista, formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Izabela Hendrix e Pós Graduada em "Arte Contemporânea: Reflexão e crítica" pela PUC-MG. Seu escritório trabalha com aprovação de projetos nos municípios de Belo Horizonte, Contagem, Betim, Mario Campos e Brumadinhho. Possui amplo conhecimento sobre as Leis de Uso e Ocupação do Solo de cada municipio. Faça contato! Estamos a disposição.


Aproveitem mais esse recurso na hora de tirar dúvidas.

Abraço

Expurgancia

quarta-feira, 30 de março de 2011

Praça da Savassi

Projeto de reforma Praça Savassi

Reforma da Savassi


Semana passada saiu no site da Prefeitura de
BH o projeto de reforma da Savassi. Abaixo a matéria e no post acima vídeo com dados e mostrando como vai ficar.

Savassi de cara nova e com charme resgatado


Um dos pontos mais charmosos da cidade, reduto da vida noturna e, para alguns, o coração cultural de Belo Horizonte, a Praça Diogo de Vasconcelos, mais conhecida como a Praça da Savassi, na região Centro-Sul, vai ganhar um novo visual. Com investimentos de R$ 10,41 milhões, a Prefeitura vai requalificar o local com alargamento e elevação das travessias, novo desenho de piso no cruzamento e extensão da praça nos calçadões. A ordem de serviço será dada na segunda-feira, dia 28, e as obras, que pretendem resgatar a elegância de uma das regiões mais tradicionais da capital, começam no máximo em dez dias. O projeto de requalificação urbana foi apresentado ontem pelo secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Murilo Valadares, durante solenidade realizada na sede da Prefeitura de Belo Horizonte, no Centro.

Além das intervenções na praça, o projeto inclui a construção de fontes luminosas e serviços de drenagem e requalificação nas ruas Pernambuco, entre as ruas Tomé de Souza e Fernandes Tourinho; Antônio de Albuquerque, entre Alagoas e Paraíba; e avenidas Getúlio Vargas e Cristovão Colombo, dentro do quadrilátero formado pelas ruas Alagoas, Paraíba, Tomé de Souza e Fernandes Tourinho.

Murilo Valadares ressaltou que a requalificação integra o projeto Centro Vivo da Prefeitura, que nos últimos anos renovou, além da Praça Raul Soares, quarteirões no entorno da Praça Sete e do Mercado Central. “As obras vão qualificar a Praça da Savassi, tornando-a um local ainda mais agradável para passear, divertir e fazer compras”, ressaltou. Segundo Murilo, essa é uma reivindicação tanto dos comerciantes quanto dos moradores da região.

Parte dos recursos do empreendimento (R$ 7,58 milhões) são provenientes da Operação Urbana Savassi, estabelecida pela Lei 9959/10, sancionada em julho de 2010, que definiu normas e condições para parcelamento, ocupação e uso do solo urbano no município. De acordo com Murilo Valadares, as obras devem durar 12 meses.


segunda-feira, 28 de março de 2011

Centro Niemeyer









Fonte:http://www.casadevalentina.com.br

Entrevista de 2007 de Souto Moura

Procurando coisas sobre o ganhador do Pritzker achei no Blog ArqSite esse trecho de uma entrevista que ele concedeu em 2007. O arquiteto tem opiniões bastante controversas sobre sustentabilidade e o que ela representa hoje para a arquitetura. Assim que encontrar a entrevista completa posto aqui. Por enquanto, algumas fotos de projetos do arquiteto.

Atualização: link para entrevista completa
http://www.vivercidades.org.br/publique_222/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1285&sid=19

Entrevista Eduardo Souto de Moura

Numa entrevista publicada pelo site VIVERCIDADES Souto de Moura revela suas opiniões polêmicas sobre alguns temas relevantes como a sustentabilidade e arelação com o lugar. Algumas de suas opiniões são para fazer pensar, e podem mudar os paradigmas de como tratamos estas duas questões com conceitos coletivamente enraizados, mas que nem sempre sao verdadeiros.

Um dos principais pontos da entrevista é sua crítica sobre a moda atual de se falar em sustentabilidade na arquitetura. Na opinião de Souto de Moura a sustentabilidade não pode ser tratada como um objetivo final da arquitetura. Não se pode pensar um edifício como objetivo único de ser sustentatável. A arquitetura envolve muito mais fatores importantes, e a sustentabilidade seria somente uma obrigação fundamental do edifício, mas não definidora do seu partido, assim como acessibilidade, conforto térmico, etc.

Outro ponto é a relação com o lugar, a famosa arquitetura vernacular. Segundo o mito tradicional a melhor forma de se trabalhar a relação com a cultura local é usar as técnicas construtivas e os materiais locais. Mas, atualmente o principal motivo para definição de um sistema construtivo e de materiais de acabamento é o custo final. E nem sempre as técnicas e materiais locais conseguem competir em preço com materiais industrializados. Cabe então ao arquiteto procurar meios de reproduzir a tradição local com outras referências, utilizando materiais e cores similares e utilizando referências espaciais simbolicas da tradição.

Segue abaixo alguns trechos da entrevista:

Moura: Agora mesmo, comecei a construir um 'centro cultural' dedicado à obra do poeta, Miguel Torga, próximo ao Douro. Queria trabalhar com a pedra local, a ardósia [pizarra], mas ela era cara. Considerei, então, utilizar uma lajota [prefabricado] negra – como a ardósia –, concreto negro ou, até, uma cerâmica cinza prateada. Mas, no final, o que nos faz escolher entre todas as opções possíveis é o preço. A tradição, que considerava 'lógico' trabalhar com os materiais locais, desapareceu. Hoje, a pedra local pode custar o dobro de um material similar, importado da China. E a 'atmosfera' local pode-se conseguir, do mesmo modo, com materiais similares que não sejam autóctones. Assim, a questão dos 'materiais locais' foi desmistificada.

Zabalbeascoa: Quer dizer então que os materiais que 'falam a língua local' são uma enganação ?

Moura: Não há nada mais dispendioso que a 'ecologia'. Somente os suíços podem ser 'ecológicos'. Qualquer um que ali construa um edifício é obrigado a instalar um sistema de tratamento e reciclagem das águas servidas de banho. Mas, preparar um edifício para acumular as águas servidas, bombeá-las, tratá-las e recicla-las, é muito pouco sustentável, pois consome uma quantidade de energia brutal. Não faz sentido ! Este tipo de preocupação só se pode ter na Suíça.

Zabalbeascoa: Quer dizer, então, que o Sr. acha que a 'sustentabilidade' é uma questão de gente rica ?

Moura: Não, é um problema dos maus arquitetos. Estes se preocupam sempre com temas secundários. Dizem coisas do tipo: "a Arquitetura é Sociologia, Linguagem, Semântica, Semiótica...". Inventaram a 'arquitetura inteligente' – como se o Partenón fosse estúpido –, e agora, a última moda é a 'arquitetura sustentável'. Tudo isso são variantes [complejos] da má Arquitetura. A Arquitetura não tem que ser 'sustentável'. A Arquitetura, para ser boa, já o é, implicitamente, sustentável. Nunca haverá uma boa arquitetura... que seja estúpida ! Um edifício em cujo interior as pessoas morram de calor, por mais elegante que seja, será sempre um fracasso. A preocupação com a 'sustentabilidade' denota, apenas, mediocridade. Não se pode elogiar um edifício por ser 'sustentável'. Seria como elogia-lo por ficar de pé !

Museu Paula Rêgo, em Cascais, e suas pirâmides vermelhas

blogportobello_Museu_Paula_Rego.jpg



Centro de Arte Contemporânea Graça Moraes, em Bragança


blogportobello_Museu_Braganca.jpg

Souto Moura vence Pritzker 2011

Foi anunciado hoje o ganhador do Pritzker da Arquitetura 2011. Encontrei essa matéria sobre o prêmio e o arquiteto ganhador Eduardo Souto de Moura. A reportagem está em portugues de portugal, aproveita e aprende um pouco de arquitetora e línguas. Vou ver se encontro algumas fotos de obra do arquiteto pra postar aqui. Até mais.

Fonte:http://sic.sapo.pt/

Souto Moura vence Pritzker 2011, conhecido como o "Nobel da arquitectura"
O ateliê de Eduardo Souto Moura confirmou a atribuição do prémio Pritzker 2011, o maior galardão mundial na área da arquitectura, ao arquitecto português.

Eduardo Souto Moura ganhou o Prémio Pritzker de Arquitetura 2011 pelo seu "rigor e precisão", anunciou hoje a Fundação Hyatt, promotora do galardão.

Este prémio anual, criado em 1979, tem como objetivo distinguir um arquiteto vivo e é considerado o Nobel da arquitetura.

Este é o segundo português a vencer este prémio. O arquiteto Álvaro Siza Vieira venceu a edição de 1992.

No ano passado a Fundação Hyatt distinguiu a dupla de japoneses Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa.

Eduardo Souto Moura, de 58 anos, nasceu no Porto e iniciou a sua carreira colaborando com o arquiteto Álvaro Siza Vieira, entre 1974 e 1979.

Em 1980, o arquiteto termina a licenciatura, pela Escola Superior de Belas Artes do Porto, inicia a sua atividade como profissional liberal e recebe o seu primeiro prémio, da Fundação António de Almeida.


O mercado municipal de Braga, a ponte Dell'Accademia, em Veneza, Itália, a reconversão do Convento de santa Maria do Bouro numa pousada, em Amares, e o Estádio Municipal de Braga (foto) são alguns dos seus principais projetos.

Um nome da "Escola do Porto"

O arquiteto Eduardo Souto Moura, reconhecido como um dos grandes nomes da arquitetura moderna portuguesa, iniciou o seu percurso profissional ao lado de Siza Vieira, seguindo a "Escola do Porto".

Nascido em 25 de julho de 1952, no Porto, o arquiteto integra o núcleo de profissionais da "Escola do Porto", ao lado de Fernando Távora e Siza Vieira, tendo-se licenciado, em 1980, pela Escola Superior de Belas Artes do Porto.

Antes mesmo de se licenciar, entre 1974 e 1979, Souto Moura colaborou com Álvaro Siza Vieira, o único arquiteto português que conseguira até agora ser distinguido com o prémio Pritzker (1992).

Souto Moura iniciou a sua atividade como profissional liberal em 1980, ano em que recebeu o seu primeiro prémio, da Fundação António de Almeida.

Ao longo da sua carreira, o arquiteto tem sido requerido para lecionar em algumas das mais conceituadas escolas de arquitetura, atividade que iniciou, em 1981, na Faculdade de Arquitetura do Porto, mas que já o levou a dar aulas nas escolas de Paris-Belleville, Harvard, Dublin, Zurique e Lausanne.

O arquiteto recebeu vários outros prémios, destacando-se, entre outros, o prémio internacional "Pedra na Arquitetura" para a casa, em Braga, concedido pela Feira de Verona, e o prémio anual da secção portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte.

Destaque também para o Prémio Pessoa, em 1998, e o prémio Secil 2004, pelo projeto do Estádio Municipal de Braga, construído no âmbito da realização em Portugal do Euro2004.

As suas obras mostram equilíbrio, onde se destacam formas simples, e Souto Moura fez trabalhos tão distintos como a ponte Dell'Accademia, em Veneza, Itália, ou o projeto de arquitetura para o Metro do Porto.

"Não há ninguém que defenda mais a sua obra do que os arquitetos, mesmo entrando em grandes contradições. Reparo que eu, os meus amigos e pessoas com quem convivo defendem as obras como os filhos, até ao ridículo, quase", afirmou Souto de Moura ao semanário Expresso, em novembro de 2003.


domingo, 27 de março de 2011

Fica a Dica!

Fica a Dica bombando na primeira semana, só em evento internacional!


*Para quem não sabe, assim como eu não sabia :), AA é =Architectural Association.


Aqui vai o release que vc encontra aqui no site deles:

Complementando os locais associados ao Carnaval de Rio de Janeiro, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o workshop “Matéria Prima” irá explorar esportes populares e programas culturais como uma forma de transformar ambientes urbanos e comunidades em estado precário e ajudar a garantir o legado destes eventos globais para a população. O workshop de 10 dias vai promover uma filosofia de design que media a sensibilidade global e local, entre as economias formal e informal, e os processos de fabricação de alta e baixa tecnologia. Em contraste com produtos importados e pré-fabricados, será empregada uma metodologia híbrida, utilizando matérias primas e outros objetos encontrados (inspirado na obra do artista Ernesto Neto e dos irmãos Campana) e aprimorando-os com técnicas computacionais novas de projeto e de fabricação.

O workshop ocorrerá quase 40 dias após o Carnaval, explorando e reutilizando os carros alegóricos, fantasias e parafernálias relacionadas, colaborando com várias escolas de Samba localizadas nos armazéns pós-industriais do porto do Rio, berço do Carnaval e do Samba. Este material reciclado será transformado utilizando processos de fabricação digital através de novos componentes produzidos digitalmente e, ao final, serão feitas intervenções em espaços públicos e no mobiliário urbano na zona do porto, para apoiar os eventos esportivos e culturais que envolvem a população local e complementem as construções em grande escala para os esportes olímpicos.

Aberto a designers de todo o mundo, o workshop incluirá modelagem paramétrica, instruções fundamentais em Rhinoceros e Grasshopper (incluindo GECO e Galapagos para simulação de conforto ambiental e processos evolutivos), Arduino e Processing, seminários e palestras de arquitetos, artistas, urbanistas e outros especialistas brasileiros e estrangeiros, e fabricação digital utilizando corte a Laser, usinagem CNC e máquinas de prototipagem rápida para produção de maquetes e, ao final, protótipos na escala 1:1 para apresentação final e instalação nos espaços do porto e do centro da cidade.

Data: 5 a 14 de Abril de 2011
Local: Barracões do Santo Cristo, Porto do Rio
Organização: Architectural Association School of Architecture


sexta-feira, 25 de março de 2011

Conselho de Arquitetura e Urbanismo

Nesse nosso tempo ausente do expurgancia, foi aprovado o CAU Conselho de Arquitetura e Urbanismo.
O dito cujo já tem página oficial e página no facebook, afinal nasceu no século XXI.
No site você pode tirar suas dúvidas, ler sobre a criação do conselho e acompanhar como está o andamento do processo.

http://www.cau.org.br/

http://www.facebook.com/pages/CAU-Conselho-de-Arquitetura/113591122042078?sk=wall


Conselho de Arquitetura e Urbanismo é aprovado
Confira o que muda para os arquitetos a partir de agora


O projeto foi sancionado com o veto do artigo 67, que garantia "o direito de registro no CAU ao profissional diplomado em urbanismo, cujo campo de atuação profissional será definido em função da respectiva formação acadêmica".

Segundo Angelo Arruda, na próxima segunda-feira (3), as entidades publicarão uma nota explicando alguns aspectos do CAU, entre eles, o de que o Conselho passará a existir somente após 1° de janeiro de 2012, quando todos os conselhos regionais e o nacional estiverem funcionando. Além disso, Arruda esclarece também que, por enquanto, os arquitetos e urbanistas continuam ligados ao sistema Confea/Crea, mas que 90% do valor de anuidades e ARTs (Anotação de Responsabilidade Técnica) já serão repassadas ao CAU.

Confira o que muda com o CAU:

Atuação profissional
As atribuições e os campos de atuação profissional dos arquitetos e urbanistas estão descritas nos artigos 2º e 3º, que são uma transcrição do Anexo II da Resolução 1010 do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea). Na prática, o exercício profissional continua o mesmo, e algumas atividades são divididas com profissionais de outras áreas.

Transição
A partir de agora, as Câmaras de Arquitetura e Urbanismo dos atuais Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREAs) têm entre 90 e 360 dias para convocar eleições para o CAU, dependendo do ritmo de cada Estado. Os CREAs ficam encarregados de organizar e repassar aos CAUs os documentos de todos os profissionais arquitetos e urbanistas registrados, para que o CAU funcione normalmente.

Estrutura
Haverá presidentes em todos os Estados. Os arquitetos e urbanistas votarão, obrigatoriamente, em conselheiros regionais e nacional. Entre os representantes escolhidos, haverá uma eleição para definir a Mesa de Coordenação do CAU, que inclui, entre outros cargos, o de presidente. O número de conselheiros de cada Estado será proporcional ao tamanho do Estado.

Eleições
O voto será obrigatório a todos os arquitetos e urbanistas.

Registro
Após a instalação do CAU em cada Estado, o profissional deverá se registrar obrigatoriamente no Conselho para o exercício da profissão de arquiteto e urbanista.

Contribuição dos arquitetos
A contribuição será de R$ 350 anuais, reajustada de acordo com os índices oficiais uma vez por ano.

Anotação de Responsabilidade Técnica
A ART terá um novo nome: Registro de Responsabilidade Técnica (RRT). O profissional deverá registrar sua movimentação técnica mediante pagamento de taxa de R$ 60. Os CAUs regionais terão obrigação de registrar seu acervo, liberar certidões gratuitas quando for necessário e expedir documentos que comprovem suas habilidades e competências.

Processos em trâmite nos Creas
Todos os processos dos arquitetos e urbanistas em curso nos Creas deverão ser concluídos pelas Câmaras de Arquitetura e Urbanismo. Os que acontecerem durante o processo de transição serão resolvidos em um acordo entre os CAUs e os Creas. As dívidas serão transferidas para o CAU, uma vez que são federais e não se extinguem.

Fiscalização do CAU
Os CAUs serão fiscalizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e auditados, anualmente, por auditoria independente. Os resultados serão divulgados para conhecimento público.

Reportagem publicada no site piniweb.com no dia 30 de Dezembro de 2010